Dick Vigarista e Muttley no meio do “Toonpocalypse” – Hyppers

Dick Vigarista e Muttley no meio do “Toonpocalypse”

Hyppers Alerta: O Texto abaixo contém spoilers de histórias ainda não lançadas no Brasil! Siga por sua própria curiosidade e risco.

E a revista do Dick Vigarista e Muttley, escrita por Garth Ennis e desenhada por Mauricet continua misturando os desenhos clássicos da Hanna-Barbera com situações da vida real… e muito bem, obrigado!

Na edição anterior vimos que Dick e Muttley são pilotos americanos, enviados para uma região do Oriente Médio que sofreu uma grande explosão de um elemento instável. Eles estavam atrás de um drone que desapareceu sem dar qualquer sinal e depois o encontraram. Ele emite uma radiação estranha que transformou Muttley em um ser meio humano e meio cão.

A HQ começa com Mutt levando Dick para fora da base que eles estavam presos, na Alemanha. E, bem, se um Lobiscão (ou melhor, Cãosomem), vai até você e começa a te carregar para fora de um lugar que você considera seguro, claro que vai pirar como Dick.

Eles são rapidamente (e até facilmente), parados pelos guardas do lugar. Mais pela histeria do Vigarista do que por qualquer outra coisa.

Até que são parados pelo Agente Perkins, que era um dos responsáveis pela prisão e investigação do que aconteceucom a dupla. Perkins também recebeu uma parte da radiação do Drone, que, a essa altura, meio que tem um poder de se teleportar e está espalhando sua “toonficação” pelo planeta!

Ele então saca um megafone que também é uma arma do nada, como um desenho animado mesmo e tenta acertar os dois. Acaba atingindo um guarda que fica com um rombo no peito, mas estranhamente, vivo!

Os dois fogem em uma moto com o Agente ainda enfurecido e um dos soldados achando que é o Fim dos Dias, aliás, a parte da Ascensão, onde os justos serão levados aos céus e os impuros serão deixados na Terra para serem purificados.

Pois bem, os dois param para comer e discutir o que anda acontecendo, e já conseguem relacionar o fato do drone ter uma ligação com tudo isso. Dick não sabe se Muttley é o cão no corpo de seu dono, ou se uma fusão com a consciência do amigo Mutt Williams de dick.

Ao mesmo tempo, ele diz que não é o único que foi alterado pela radiação. O próprio Dick está falando como se fosse um personagem de desenho animado ranzinza (ou seja, o Vigarista que a gente conhece). Com palavras antigas que ninguém fala mais. Algo como se ele xingasse com “sacripantas, biltres, obtuso” e coisa assim que só vemos esses vilões antigos falando.

Eles concordam e se ajudar a resolver isso e quem pode ter uma ideia é o professor que criou o reator que causou essa radiação maluca. Para saber mais sobre isso, decidem ligar para o General que eles conhecem em Washington.

Enquanto isso, o Drone passa pelo mar e atinge uma criatura marinha, que vira…

O TUTUBARÃO! HAHAHAHA!

Enfim, o drone também passa por Washington e pelo Pentágono e afeta um pessoal por lá. Como o próprio General “amigo” dos dois. Enquanto Dick e Muttley estão tentando ver com ele se tem mais informações sobre o caso (até mesmo lembrando um dia que o salvaram de um Paparazzi que o fotografou com duas prostitutas), o General se irrita tanto que dá um soco na cara de Dick enfiando seu punho pelo telefone!

Eles então se escondem um pouco em um hotel, tentando reavaliar a situação. Nesse momento, o Presidente dos EUA vai fazer um pronunciamento sobre novas verbas para os militares (ainda por conta de toda a confusão) e meio que do nada ele tira uma marreta animada (assim como o agente tinha uma arma-megafone), e começa a bater no ministro com isso.

Os dois veem que a situação está ficando um pouco mais fora do controle do que apenas casos isolados…

E realmente, essa HQ é diversão pura. Eu acho muito interessante que o que Ennis e Mauricet estão fazendo é literalmente uma história de Apocalipse, como o soldado disse, só que ao invés de ser algo com zumbis, guerra nuclear e tudo mais, as pessoas vão ficar malucas como se fossem desenhos animados.

E é interessante pensar nisso pois a HQ do Corrida Maluca se passa em um mundo como o do Mad Max, e essa deve ser a causa de tudo isso!

Ao mesmo tempo, é um gibi bem mais light que o que costumamos ver de Ennis, só que também tem aquele toque pessoal do escritor inconfundível. Ou seja, se você é fã dele, não vai sentir-se traído de forma alguma pelo modo como ele está escrevendo, sem tantos peitos, palavrões e gore. aliás, há gore mas é algo bem cartum!

Resumindo: é um baita gibi descompromissado e divertido, com umas ideias bem diferentes e uma abordagem única de um clichezão de várias histórias de fim do mundo. Ao mesmo tempo, apresenta uma origem bacana e atualizada para dois personagens superclássicos da Hanna Barbera, os deixando interessantes, malucos e até agradáveis de se seguir. Vocês sendo fãs ou não conhecendo os personagens, recomendo que leiam quando chegar por aqui!

Escritor, roteirista de quadrinhos, jornalista, cozinheiro, Jogador de Magic e RPG, dentre outras façanhas incríveis e inimagináveis!

“Como estou redigindo?”