“The Red Death” explica fusão de Batman com o Flash! – Hyppers

“The Red Death” explica fusão de Batman com o Flash!

Hyppers Alerta: O Texto abaixo contém spoilers de histórias ainda não lançadas no Brasil! Siga por sua própria curiosidade e risco.

Se você está acompanhando a saga “Dark Nights Metal”, sabe que é uma suruba do morcego, não? Quero dizer, é tudo relacionado ao Batman, até mesmo os inimigos são versões malignas do Batman comandada pelo deus morcego Barbatos. E cada um desses vilões vai ter uma edição própria mostrando sua origem. “The Red Death”, ou “O Morte Escarlate” é a revista que explica como um Batman ganhou o poder do Flash! O roteiro é de Joshua Williamson e a arte de Carmine di Giandomenico.

Tudo começa na Terra-52, onde vemos o Batman caçando o Barry Allen. Já mostramos esse preview essa semana, que vocês podem conferir aqui. O Homem-Morcego está usando os equipamentos da Galeria dos Vilões do Flash (Mago do Tempo, Capitão Frio, Flautista e etc), para capturá-lo.

O que Batman quer é que ele compartilhe da Força de aceleração com ele, para que ele possa consertar as coisas. Pelo que dá para entender, essa versão de Bruce perdeu TODO MUNDO da Batfamília e quer a supervelocidade para ajeitar as coisas.

Já Barry sabe que essas motivações não vão trazer bons frutos para o Morcego e tenta evitar o máximo possível de entregar o poder para Bruce.

Porém, nem o homem mais rápido do mundo consegue pensar rápido o bastante para pensar em todas as estratégias do Homem-Morcego… Ou acreditar que realmente o Batman iria cair tão baixo a ponto de ter que usar como tática a compaixão de Barry por ele para pegá-lo desprevenido! No momento que parece que Bruce está aceitando o seu destino e o Flash tenta ajudá-lo, vemos que o Morcego congela o Corredor Escarlate por tempo suficiente para nocauteá-lo.

Quando acorda, o Flash está numa situação que, bizarramente, é MUITO LEGAL. Ele está amarrado no capô do Batmóvel, correndo feito louco! o Batman está o usando como uma espécie de motor para entrar em contato com a Força da Aceleração e caramba, parece até algo saído do “Mad Max”!

O que acontece é bem simples: devido a constante aceleração o corpo de ambos acaba se fundindo, a lá Dragon Ball mesmo. A cena até remete a morte de Barry em “Crise nas Infinitas Terras”, em que ele vai se desfazendo.

O que acontece a seguir é que Gotham começa a ir para o beleléu. Os céus ficam vermelhos e o crime sobe, há um rompante de caos e revoltas com as pessoas ficando desesperadas. Parece até o momento de “Crise Final” que os céus ficaram rubros e tudo mais, e a equação anti-vida dominou a mente das pessoas.

Mas nesse momento, vemos O Morte Escarlate aparecer, matando vários dos vilões de Gotham com a supervelocidade de Barry e a raiva de Bruce.

Entretanto isso não ajuda em nada. Gotham e o mundo está indo para o saco e tudo o que o Bruce fez (e vemos que ele ainda está com a consciência de Barry dentro dele, presa sob sua mente mais poderosa), não adiantou nada. Nisso, vemos que um dos servos de Barbatos fala que o BatFlash pode ter uma oportunidade de reconstruir sua vida em outro lugar se for com ele…

A ação muda para a Terra-0, o mundo principal da DC. Lá vemos que o Morte Escarlate chega em Central City, logo após ser liberado neste mundo durante os eventos de “Dark Nights Metal #2”. A primeira coisa que ele faz é atacar a família de Barry, o que inclui usar seus poderes para envelhecer Wally West.

Barry aparece para tentar detê-lo, indagando se aquele é Bruce e se foi isso que aconteceu depois dele fugir da ilha dos Gaviões, mas nós sabemos que não é o caso. Por um momento o vilão vacila em atacar o Barry, por ser segurado pelo próprio corredor dentro dele.

Nesse espaço de tempo, o Doutor Destino aparece para transportar o velocista dali. O Red Death fica extasiado com sua vitória e diz que vai transformar esta Central City em seu novo lar e salvar sua Gotham.

O fim da história comenta um pouco sobre como um dia ruim pode acabar com um universo inteiro, fazendo alusão ao fato de que uma dimensão das trevas nasce toda vez que uma decisão ruim é tomada (como o Batman atacar o Flash para roubar seus poderes), então uma semana inteira ruim poderia arruinar um multiverso!

Esse parece ser um dos planos de Barbatos, fazer todo o multiverso ir para o beleléu. O que não é bem um plano novo. O próprio Anti-Monitor, na Crise Original, queria fazer algo semelhante, destruindo todos os universos de energia positiva e convertendo em anti-matéria.

Minha opinião sobre essa HQ é bem simples: como é algo, em parte, bem elseworld, é interessante em certos aspectos, como mostrar o modo que o Batman usaria as armas dos vilões do Flash contra ele e também a cena da fusão, por mais esdrúxula que seja, é até bem interessante, falando de um ponto de vista quadrinistico. Acho que se você gostar do Cavaleiro das Trevas e não se importar na overdose que essa série vai trazer, vai curtir bastante essas edições da “Liga do Batman do Mal”. Caso contrário vai achar bem enfadonho e desnecessário esse exagero de morcego por aí, ainda mais misturado com esses tons de super-poderes que não são o acompanhamento clássico do personagem.

Escritor, roteirista de quadrinhos, jornalista, cozinheiro, Jogador de Magic e RPG, dentre outras façanhas incríveis e inimagináveis!"Como estou redigindo?"